Perguntas frequentes

Ao longo de décadas de atuação no trabalho de apoio a cuidadores familiares, a ABRAz realizou milhares de reuniões de Grupos de Apoio e atendimentos telefônicos pelo serviço Fale Conosco ou em plantões especiais em datas comemorativas. Dessa extensa experiência com o público foram retiradas as perguntas mais frequentes de cuidadores e familiares de doentes de Alzheimer. Todas as questões foram respondidas e estão agrupadas por tema.

Sobre o diagnóstico

O que é teste neuropsicológico, quem o aplica e onde?

A avaliação neuropsicológica compreende uma bateria de testes psicológicos para verificação de funcionamento cognitivo. O teste tem duração de cinco horas, em média. São aplicados instrumentos que avaliam memória, capacidade de planejamento, linguagem, atenção e outras funções cognitivas, com o objetivo de:

  • Auxiliar no diagnóstico.
  • Planejar estimulação cognitiva.
  • Orientar as famílias quanto às atividades, autonomia, decisões e riscos envolvidos na rotina do paciente.

A avaliação deve ser feita por psicólogos especializados nessa área. Algumas instituições contam com esses profissionais e o exame pode ser feito em consultórios ou em domicílio, se necessário.

O diagnóstico de Alzheimer é 100% certo?

Não. Na prática, o diagnóstico da Doença de Alzheimer é clínico, isto é, depende da avaliação feita por um médico que irá definir, a partir da história e de exames, qual a principal hipótese para a causa de demência. A eficácia do tratamento também reforça a hipótese do diagnóstico. A certeza do diagnóstico só pode ser obtida através do exame microscópico do tecido cerebral, procedimento que, por apresentar riscos ao paciente, costuma ser indicado apenas em situações muito específicas. O exame pós-morte, raramente realizado, confirmaria com 100% de certeza a DA.

Sobre o tratamento

Qual o efeito de produtos naturais e receitas caseiras no tratamento da DA?

Não há comprovação científica do efeito desses produtos. Relatos de curas milagrosas são tentadores, mas cuidado! Não há cura para a DA, é preciso aceitar essa condição para tratar o doente.

Existe uma alimentação específica para a Doença de Alzheimer?

Não, ao contrário de outras doenças como o diabetes ou a hipertensão, não existe uma dieta restritiva recomendada para todos os pacientes de Alzheimer. Ajustes na dieta poderão ser feitos de forma individualizada, dependendo das consequências da doença em cada paciente. Estudos recentes apontam para a importância de alimentação saudável e do consumo de nutrientes para a preservação de neurônios. Investir na qualidade da alimentação é importante em todas as idades e a boa nutrição para o idoso preserva sua saúde e seu bem-estar.

Quais medicamentos são indicados?

Substâncias com resultados comprovados cientificamente são: rivastigmina (Exelon); donepezil (Eranz); galantamina (Reminil) e memantina (Ebix). Todos esses medicamentos são de uso controlado e devem ser administrados rigorosamente de acordo com a prescrição médica.

Páginas