Perguntas frequentes

Ao longo de décadas de atuação no trabalho de apoio a cuidadores familiares, a ABRAz realizou milhares de reuniões de Grupos de Apoio e atendimentos telefônicos pelo serviço Fale Conosco ou em plantões especiais em datas comemorativas. Dessa extensa experiência com o público foram retiradas as perguntas mais frequentes de cuidadores e familiares de doentes de Alzheimer. Todas as questões foram respondidas e estão agrupadas por tema.

Sobre o tratamento

Qual o efeito de produtos naturais e receitas caseiras no tratamento da DA?

Não há comprovação científica do efeito desses produtos. Relatos de curas milagrosas são tentadores, mas cuidado! Não há cura para a DA, é preciso aceitar essa condição para tratar o doente.

Existe uma alimentação específica para a Doença de Alzheimer?

Não, ao contrário de outras doenças como o diabetes ou a hipertensão, não existe uma dieta restritiva recomendada para todos os pacientes de Alzheimer. Ajustes na dieta poderão ser feitos de forma individualizada, dependendo das consequências da doença em cada paciente. Estudos recentes apontam para a importância de alimentação saudável e do consumo de nutrientes para a preservação de neurônios. Investir na qualidade da alimentação é importante em todas as idades e a boa nutrição para o idoso preserva sua saúde e seu bem-estar.

Dúvidas do cuidador

Tenho um familiar com a Doença de Alzheimer. Será preciso fazer tudo por ele a partir de agora?

É recomendável permitir que o paciente faça as coisas que ele ainda consegue fazer e que lhe proporcionem prazer, considerando sempre a sua segurança, ou seja, que ele não correrá riscos ao executar tal tarefa. Por exemplo, um paciente que gosta de cozinhar, muitas vezes pode não ter mais a capacidade de planejar a tarefa e talvez corra alguns riscos em decorrência da perda de memória e de orientação. Porém, na medida do possível, é interessante que ele participe dessa atividade. A maneira correta é o paciente executar a tarefa com supervisão de outra pessoa, para que não se corte, não se queime, nem deixe o fogo aceso.

O cuidador (supervisor), nesse caso, poderá auxiliar, orientando a ordem de fazer as tarefas e em qualquer outra dificuldade. É importante ressaltar que o paciente que antes podia executar essa tarefa com muita facilidade, após a instalação da DA, pode encontrar dificuldades em realizá-la. Então, o acompanhante deverá ter muita paciência e disposição para colaborar.

Outro ponto importante é não chamar a atenção do paciente para os seus erros e incapacidades, pois isso pode gerar frustração e, em muitos casos, faz com que ele desista de realizar atividades, ficando desanimado e se isolando.

Considerando esses pontos, haverá grande benefício para a pessoa com Doença de Alzheimer em executar tarefas consideradas fáceis para aquele estágio da doença que podem render um bom desempenho, favorecendo a autoestima do paciente. Quanto mais estímulo o paciente tiver, melhor. 

Assim, o cérebro dele estará sendo ativado.

O que fazer quando o paciente fica, subitamente, agressivo?

A primeira atitude é tentar identificar, no ambiente, fatores que possam ser responsáveis pela agressividade, para evitá-los. As situações que podem favorecer a agressividade são: ruídos excessivos, ambientes agitados e confrontos com a incapacidade do doente. Quando os fatores não forem identificados, a melhor maneira é ter postura de tranquilidade. Dar respostas que expressem nervosismo pode intensificar a agressividade. Cabe lembrar que alterações súbitas de comportamento podem estar associadas a quadros de infecção, desidratação ou intestino preso. Nesses casos, é necessário informar à equipe de saúde para fazer uma investigação e tomar providências.

É verdade que não se pode contrariar a pessoa com DA?

Não. Embora seja importante promover a autonomia do paciente, a garantia de segurança é fundamental. Por isso, caberá ao cuidador tomar as decisões com sensatez. Quando o paciente fizer escolhas perigosas que ponham em risco sua segurança física, financeira, de saúde (alimentação e tratamento), ou ainda sua integridade moral, a família deve cuidar e selecionar, com bom senso, ações permitidas, eliminando solicitações inviáveis e temerosas.

Páginas